Infância e adolescência entre muros 6

Infância e adolescência entre muros

6

Nathalia Maciel Corsi

A rede guardiã: ações virtuais que desconstroem muros concretos

JL2015 Texto Site Nathalia Corsi Capítulo 6 Foto 1 003

Ellen Tomazeti e Celmara Mendes: presidente e vice do GAAAI.
Foto: arquivo pessoal de Ellen Tomazeti.

Passou o tempo em que a adoção era tabu, fazendo com que os pais escondessem a origem adotiva dos filhos. Hoje, as famíliasque buscam essa opção legal para se tornarem completas quebram muitas barreiras em nome do diálogo saudável sobre o tema. A adoção passou a ser entendida como uma maneira de constituir família, independentemente de estado civil, orientação sexual e raça. São vários os grupos que atuam promovendo discussões e respondendo a dúvidas de pessoas interessadas. Celmara Mendes e Ellen Tomazeti são exemplos de mães adotivas que se uniram para militar em benefício da causa. Juntas, as curitibanas fundaram o Grupo de Apoio à Adoção Amor Incondicional (GAAAI).

Na região da capital, três outros grupos vieram antes. O Grupo de Apoio à Adoção Consciente (GAACO) é o mais antigo e trabalha fazendo a preparação dos habilitados. Nele é ministrado o curso obrigatório por lei e são organizadas reuniões mensais abertas ao público para difundir informações a respeito do processo de adoção. O Projeto Recriar atua preparando casais para apadrinhar os jovens abrigados. O Projeto Dindo, da mesma forma, tem como principal atividade instruir e acompanhar padrinhos afetivos. O GAAAI, de Celmara e Ellen, surgiu quando ambas passaram pelo processo de adoção e sentiram a ausência de um apoio focado no período pós-adoção.

Quando a adoção é finalizada, as famílias adotivas não recebem mais o acompanhamento de uma equipe técnica, já que a prioridade desses profissionais são as crianças em situação de risco. Sem terem a compreensão de certos comportamentos da criança, os familiares e amigos muitas vezes menos ajudam e mais atrapalham. Encontrar um psicólogo que trabalhe na área da adoção não é tão simples. Acontece que essa fase inicial é quando mais se precisa de apoio e conselhos pertinentes. Entre o idealizar e a realidade, há uma diferença gritante. Ser pai e mãe de uma hora para outra é complicado, e nada melhor do que recorrer a quem já passou pela mesma situação. “A Ellen me socorreu quando eu enfrentei isso, e outras pessoas, entendidas no assunto, socorreram ela; então a gente foi formando uma rede de apoio”, lembra Celmara.

A atuação do GAAAI é virtual, o que possibilita atender pessoas do Brasil inteiro. Em um grupo fechado, no Facebook, famílias adotivas contam com dicas de psicóloga e pedagoga para conseguirem desenrolar com equilíbrio os inconvenientes da adaptação dos filhos. Além do ponto de vista profissional, as vivências compartilhadas permitem que sejam identificados comportamentos comuns das crianças e adolescentes nesse estágio em que os vínculos familiares ainda estão sendo construídos, o que deixa mamães e papais mais seguros. Com total descrição, apenas sob olhares de quem conhece de perto a experiência da adoção, os participantes podem se sentir à vontade para relatar os episódios da vida cotidiana com os quais precisam de ajuda para saber como lidar. Muitas vezes a pessoa nem precisa se abrir. “Basta ler o relato de outras, ela olha e pensa ‘meu filho também faz isso, vou tentar fazer o que estão indicando aqui’, vai entendendo sozinha”, comenta Ellen. Das queixas e angústias que aparecem por lá, a maior parte está relacionada à não aceitação da autoridade dos pais e a problemas escolares.

O que impulsiona o trabalho de Celmara, Ellen e tantas outras pessoas engajadas, é a vontade de evitar que crianças e adolescentes sejam devolvidos pelas famílias adotivas e sofram uma segunda rejeição, o que infelizmente acontece mesmo depois de os pais terem sido avaliados e preparados. As curitibanas fazem parte dos moderadores de outro grupo no Facebook, este aberto a qualquer interessado, ao qual estão conectados quase 5 mil membros. Batizado de A Favor da Adoção de Crianças Reais, o grupo funciona como um chamariz para que sejam encontrados novos pais em apuros a serem inclusos na rede de apoio do GAAAI. “Quando alguém faz um comentário e fica subentendido que está com dificuldades na adoção, começamos a conversar com essa pessoa e chamamos ela para o grupo restrito”, detalha Ellen.

Não pense que o A Favor da Adoção de Crianças Reais é um grupo de fachada. Os grupos de apoio à adoção atuam diretamente nesse propósito, buscando soluções eficazes às adoções necessárias. A busca ativa é feita por voluntários, chamados carinhosamente de cegonhas, e existe para auxiliar os órgãos públicos competentes na procura por adotantes previa e regularmente habilitados para crianças e adolescentes que, por seu perfil, são denominados “de difícil colocação” em uma família adotiva. Ou seja, é uma forma de viabilizar adoções tardias, inter-raciais, de irmãos e especiais, para as quais não foram encontrados adotantes por meio do Cadastro Nacional de Adoção (CNA). Mesmo nos grupos de apoio que realizam reuniões presenciais, o contato com os habilitados é totalmente facilitado pelas redes sociais. Cientes de que os grupos de apoio têm contato direto com habilitandos e habilitados, e conhecem inclusive as alterações de perfis não comunicadas às comarcas, equipes técnicas de muitas varas da infância e juventude abraçam essa parceria

Os muros físicos dos abrigos não são os únicos na vida daqueles que têm a infância e adolescência cercadas de esperanças frustradas. Erguem-se diante deles muros da burocracia, muros do preconceito, muros da indiferença, muros das falhas contidas na rede de proteção, muros do desconsolo, muros do desamor, muros da ausência familiar, muros de traumas, muros de lembranças. Com tantos muros, a doçura e ingenuidade acabam presas. As crianças premiadas por serem adotadas tardiamente chegam às casas das famílias fragilizadas demais ou armadas demais para corresponder de imediato às expectativas. Como vão ser delicadinhas e polidas se o repertório que conhecem é ácido? Não são as crianças as problemáticas. O problema está no tratamento dado à adoção no país, área que precisa desconstruir muitos muros ainda. Pais e filhos adotivos, aspirantes à adoção e pessoas preocupadas com o abandono de crianças e adolescentes se unem para estimular a adoção, dar apoio aos que adotam e educar a comunidade sobre o assunto, porque acreditam na família como melhor ambiente para um desenvolvimento sadio. Histórias reais de adoções tardias, especiais, inter-raciais e de irmãos são o respiro entre os muros e desmistificam as adoções consideradas impossíveis.

*Os nomes das crianças e adolescentes abrigados foram substituídos nesta reportagem para proteger sua identidade.

Continua.

Infância e adolescência entre muros – Nathalia Corsi – Capítulo 1
Infância e adolescência entre muros – Nathalia Corsi – Capítulo 2
Infância e adolescência entre muros – Nathalia Corsi – Capítulo 3
Infância e adolescência entre muros – Nathalia Corsi – Capítulo 4
Infância e adolescência entre muros – Nathalia Corsi – Capítulo 5
Infância e adolescência entre muros – Nathalia Corsi – Capítulo 6
Infância e adolescência entre muros – Nathalia Corsi – Capítulo 7
Infância e adolescência entre muros – Nathalia Corsi – Capítulo 8
Infância e adolescência entre muros – Nathalia Corsi – Capítulo 9

Related Articles

Responses

O seu endereço de e-mail não será publicado.